terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Patrimônio Cultural Imaterial

O tema patrimônio cultural imaterial é muito importante ao se abordar a questão indígena. A cultura diferenciada nem sempre está explícita a uma primeira vista simples.
É importante ressaltar que cultura não é algo estático, parado no tempo. Deve-se levar em consideração a troca de conhecimentos e experiências que um grupo mantém com outros, bem como os modos por meio dos quais os conhecimentos, expressões e práticas são apropriados. (GALLOIS, 2011)
A definição de patrimônio cultural imaterial segundo a UNESCO (2006) é: “Entende-se por “patrimônio cultural imaterial” as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas - junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados - que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural. Este patrimônio cultural imaterial, que se transmite de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade e contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.”
Segundo Gallois (2011), em acordo com essa definição o patrimônio cultural imaterial abrange: as tradições e expressões orais, incluindo a língua como veículo; dança música e artes das representações tradicionais; práticas sociais, os rituais e eventos festivos; os conhecimentos e os usos relacionados à natureza e ao universo; e as técnicas artesanais tradicionais.
Sendo assim, quando se expõe objetos e artefatos indígenas em um Museu pode estar sendo representada a cultura de um povo e não somente o patrimônio material. De acordo com Nunes (1983), cabe ao museólogo, por meio de técnicas especializadas, fornecer ao público o significado comportamental cultural dos objetos expostos.

Adaptação de texto
Isabel S. Saraiva
Indigenista Especializada
Isabel.saraiva@funai.gov.br
Fontes:
GALLOIS, D. T. (org.) Patrimônio cultural imaterial e povos indígenas: exemplos no Amapá e norte do Pará. São Paulo: Iepé, 2011, 96p.
NUNES, M. D. Museu do Índio: as fontes de enriquecimento de seu patrimônio e a utilização cultural do seu acervo. In: MUSEU DO ÍNDIO. Museu do Índio 30 anos, 1953-1983. Edição comemorativa, Rio de Janeiro: 1983, 61p. Disponível em: Acesso em: 09/09/2016.
UNESCO. Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial (Paris, 17 de outubro de 2003) Tradução: Ministério das Relações Exteriores em Brasília, 2006, 17p Disponível em: Acesso em: 09/09/2016. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Você já esteve no Museu do Índio?