terça-feira, 6 de setembro de 2016

I Festival da Diversidade do Rio Negro

O evento que reuniu representantes de 23 etnias, entre os dias 01 e 03 de setembro, no município de São Gabriel da Cachoeira (AM), foi um dos selecionados do Programa de Apoio a Projetos Culturais dos Povos Indígenas 2016/Museu do Índio/FUNAI.
Realizado pela Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), com a coordenação do Departamento de Mulheres Indígenas do Rio Negro (DMIRN), o Festival apresentou diferentes formas de manifestações culturais, além de debates sobre sustentabilidade e segurança alimentar das comunidades indígenas. As discussões também incluíram a preocupação com a valorização e a manutenção dos conhecimentos tradicionais para as futuras gerações.

Saiba mais sobre o I Festival da Diversidade do Rio Negro aqui no site do MI.

Comunicação Social/MI
06/09/2016

terça-feira, 19 de julho de 2016

NOTA DO MUSEU DO ÍNDIO SOBRE INVASÃO DE SUAS INSTALAÇÕES

ACERVOS DO MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI EM PERIGO
Desde o dia 13 de julho, em função de uma invasão, o Museu do Índio encontra-se fechado.

Falar de Patrimônio Cultural é falar de voz, de representação, de identidade, de busca por reafirmar um lugar no mundo. São 63 anos de existência do Museu do Índio.

O órgão científico-cultural da Funai corre sérios riscos. Está há mais de 24h sem o menor controle dos acervos que custodia. São acervos etnográficos sobre diversos povos indígenas (o conjunto mais representativo da América Latina), bibliográficos (uma das maiores bibliotecas especializadas em etnologia indígena no Brasil) e documentos arquivísticos que são fontes probatórias das relações históricas entre o Estado brasileiro junto aos povos indígenas, sendo FUNDAMENTAIS em processos judiciais de demarcações de terras. O trabalho de documentação realizado pelo Museu do Índio contribuiu para a demarcação de mais de 200 terras indígenas, nos últimos 30 anos.

Dentro deste universo, o conjunto documental do Serviço de Proteção aos Índios foi reconhecido como Memória do Mundopela UNESCO em 2008. Além disso, o Museu do Índio tem sido incansável na condução de projetos de documentação de culturas e línguas dos povos indígenas. Todos os projetos e as práticas museológicas que vêm sendo desenvolvidas na última década têm como diretriz fundamental uma abordagem participativa dos povos indígenas. Todas essas ações contam com a participação direta de mais de 30 povos, tendo contribuído para a formação de 215 pesquisadores indígenas, engajados nos projetos de documentação realizado em parceria com a UNESCO.

O Museu do Índio tem sido espaço de diálogo, de compartilhamento, de debates promovidos pelo curso Dimensões das Culturas Indígenas - atualmente ministrados por especialistas e por lideranças e pesquisadores indígenas -, de qualificações de acervos, sempre buscando conhecer quais são as principais e diversas necessidades dos povos indígenas em relação ao seu patrimônio, suas questões identitárias. As ações têm sido pensadas em direção ao fortalecimento de suas culturas para possibilitar o fortalecimento de suas mobilizações na busca incansável para garantir seus direitos.

É inconcebível e reprovável o que ocorre hoje no Museu do Índio. São seis dias de ocupação – especificamente na noite do dia 17, domingo, ocorreu uma invasão violentíssima – que podem acabar com décadas de trabalho à serviço dos povos indígenas e da conscientização da sociedade em relação à sua diversidade cultural. Depredação dos portões tombados, arrombamento das salas de trabalho, tentativa de arrombamento das reservas, agressão verbal e física à funcionários do Museu e incitação de ódio e desrespeito aos representantes Fulni-ô, que se manifestam inconformados com o desrespeito ao patrimônio ali depositado.

É a situação do Museu do Índio hoje. O dano pode ser irreparável. A Federação das Organização Indígenas do Rio Negro=FOIRN e outras lideranças indígenas já manifestaram apoio à integridade dos acervos que o Museu guarda e repudiam fortemente o tipo de ocupação que foi realizada.

Todas as medidas legais têm sido tomadas para garantir a preservação dos espaços e do acervo, mas é com tristeza e sensação de impotência que este patrimônio cultural depositado corre risco de desaparecimento.

Há pouquíssima clareza por parte dos manifestantes do tipo de atuação do Museu do Índio dentro da Funai e do trabalho que vem sendo desenvolvido na instituição.

A Direção do Museu já solicitou à Justiça a reintegração de posse para evitar danos aos bens culturais materiais e imateriais dos povos indígenas e ao patrimônio público do povo brasileiro.Somos um órgão científico e cultural e TODAS as reivindicações apresentadas saem completamente da nossa alçada.

Direção do Museu do Índio

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Anote aí: 20 de julho, lançamento do catálogo da exposição A Presença do Invisível

A mais recente publicação do Museu do Índio registra todo o processo de construção da exposição que por quase cinco anos – junho de 2007 a janeiro de 2013 – ocupou o prédio principal da instituição.
Uma das mais impactantes mostras de longa duração do Museu, A Presença do Invisível – Vida Cotidiana e Ritual entre os Povos Indígenas do Oiapoque resultou de um longo processo de parcerias institucionais que envolveu representantes das comunidades indígenas do Oiapoque, órgãos públicos e organizações da sociedade civil.

O catálogo, que será lançado no dia 20 de julho, em meio à programação do curso Dimensões das Culturas Indígenas, traz detalhes que vão desde a montagem da exposição, incluindo o início das pesquisas de campo, até seus desdobramentos, passando por questões conceituais, de execução e museológicas, entre outras. A publicação reúne artigos de especialistas organizados por Lux Boelitz Vidal, Luis Donisete Benzi Grupioni e José Carlos Levinho.
Além de inúmeros produtos – publicações, oficinas, mostras de curta duração – desenvolvidos ao longo do período, os desdobramentos da exposição A Presença do Invisível tiveram grande impacto para o Museu do Índio. A instituição reorientou seu programa de trabalho para estar mais próximo aos povos indígenas.
Como resultado desse movimento, surgiu o Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas-PROGDOC que, com o apoio da Unesco, já envolveu 35 povos indígenas, de 14 Estados, com a realização de mais de 330 oficinas com pesquisadores indígenas. Outro desdobramento significativo, foi a consolidação de um vínculo de cooperação entre o Museu do Índio e o Museu Kuahi , no Oiapoque, resultando em parcerias.
A implantação do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas foi uma importante conquista da instituição em prol das culturas indígenas do País. Todo esse trabalho é realizado com grande dedicação por uma equipe de servidores públicos qualificados que insistem num diálogo permanente e de cooperação com representantes de diversas etnias.
As inscrições para o curso Dimensões das Culturas Indígenas 2016 já foram encerradas!

Comunicação Social
04/07/2016

Pesquisar este blog

Carregando...

Você já esteve no Museu do Índio?